Cooperativismo financeiro: progressos recentes e novos desafios, por Ênio Meinen*

Ênio Meinen“A solução (do país) passa pelo capitalismo de mercado com responsabilidade social. O que mais é o cooperativismo!?”- Ênio Meinen

Este artigo reproduz o teor da entrevista de Ênio Meinen à revista Sicoob Cressem, edição de fevereiro e março/2017. Veja o posicionamento do dirigente e estudioso do cooperativismo financeiro sobre avanços, oportunidades e grandes desafios do setor:

1. O cooperativismo financeiro está consolidado não só no Brasil, mas em diversas partes do mundo. Quais são as principais mudanças que o setor deve enfrentar nos próximos anos?

Diria, inicialmente, que no Brasil, embora tenhamos feito consideráveis progressos nos últimos anos, ainda estamos em processo de consolidação. Precisamos, por exemplo, evoluir na governança, aperfeiçoando profissionalmente o nosso quadro de executivos e nosso corpo de dirigentes, além de, especialmente nesse âmbito, institucionalizar mecanismos de sucessão; temos de avançar no relacionamento operacional com os cooperados, pois cerca de metade dos associados não tem mais que quotas-partes e conta-corrente na cooperativa; a nossa eficiência operacional, dada a baixa escala associativa e o reduzido aproveitamento de produtos e serviços, está aquém dos padrões de competitividade exigidos pelo mercado bancário; é indispensável que aceleremos nossos investimentos em tecnologia para incorporar novos métodos operacionais e assim levar os nossos processos e as nossas soluções ao encontro da aspiração do público jovem e de todos aqueles que preferem o relacionamento digital/remoto.

2. Qual a importância da educação cooperativista no contexto atual?

É nessa ação que reside a assimilação do diferencial societário. É por isso, aliás, que temos o 5º princípio cooperativista (educação, formação e informação), pois do contrário a doutrina do movimento torna-se letra morta e, na prática, seremos vistos apenas como mais um empreendimento no mercado. É preciso, portanto, que o público interno e, a partir dele, o externo (cooperados e sociedade) saibam que cooperativa é diferente – melhor – que uma organização convencional.

3. A tecnologia e a internet estão ganhando cada vez mais espaço, como as cooperativas podem aproveita-las positivamente tanto para os associados quanto para os colaboradores?

Aqui o negócio é “surfar a onda”, acelerar e densificar investimentos e capacitar nossos profissionais e auxiliar nossos cooperados em relação ao emprego das facilitações digitais. Como não temos orçamento tão generoso quanto o de grandes bancos, precisamos eleger prioridades (a essência) e otimizar os gastos com TI. Em síntese, fazer mais com (bem) menos! Isso, contudo, não impede que nossas soluções tenham qualidade inferior às dos grandes bancos. Tanto é assim que, a título de mero exemplo (são muitos mais os reconhecimentos…), o mobile banking do Sicoob foi eleito o melhor do mercado financeiro brasileiro em 2015 (Prêmio Relatório Bancário – categoria Autoatendimento).

4. Muitas pessoas estão apostando que 2017 será um ano melhor, considerando que possa haver uma retomada econômica do país. Esse otimismo já tem sido notado pelo sistema cooperativista?

Ainda teremos um ano bastante difícil, de baixa dinâmica na economia. Se não tivermos decréscimo no somatório de tudo o que produzirmos (PIB), já terá sido um sinal de que o pior passou. Sou otimista e acredito que, mais para o final do período, começaremos a retomar a geração de empregos, a renda, o consumo, a produção, os investimentos, enfim, reiniciar o círculo virtuoso. No cooperativismo financeiro, independente do quanto crescer a economia (ou mesmo, por hipótese, decrescer), sem dúvida vamos expandir a nossa participação via ganho de mercado (transformando clientes em cooperados e atraindo para as cooperativas os negócios que nossos associados têm com os bancos). Ademais, somos resilientes e escolados em crise e nela costumamos dar grandes saltos!

*Ênio Meinen, advogado, pós-graduado em direito (FGV/RJ) e em gestão estratégica de pessoas (UFRGS), e autor/coautor de vários artigos e livros sobre cooperativismo financeiro – área na qual atua há 33 anos -, entre eles a obra “Cooperativismo financeiro – virtudes e oportunidades: ensaios sobre a perenidade do empreendimento cooperativo”. Atualmente, é diretor de operações do Banco Cooperativo do Brasil (Bancoob).

3 Comentários em Cooperativismo financeiro: progressos recentes e novos desafios, por Ênio Meinen*

  1. O segmento tem dois grandes desafios: um “externo”, que é a profissionalização enquanto instituição financeira, como forma de enfrentar a competição no mercado brasileiro, extremamente complexo e com elevado nível técnico (no caso dos bancos) – para crescer em sua participação no mercado; o outro, interno, que é a melhoria considerável dos processos de governança, em bases técnicas jurídicas adequadas, que não são simples, face às estruturas legais que operam sobre os sistemas. Grandes desafios que, se bem administrados, podem ser contornados. Parabéns pela entrevista, Professor Ênio!
    Abraço.
    Bláir Costa D’Avila
    Advogado

  2. O cooperativismo de crédito precisa atuar fortemente na educação e orientação dos seus cooperados para que ele não seja um mero usuário do banco cooperativo, mas da cooperativa que é dona do banco, ser um verdadeiro sócio da cooperativa, conhecendo as vantagens da cooperativa para a comunidade onde ela atua e está presente.

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.




*

WordPress spam blocked by CleanTalk.