Cooperativismo busca Prêmio Nobel da Paz

Presidente do Sistema OCB fala sobre o Ano Internacional das Cooperativas e expectativas para 2013 em entrevista à Gazeta do Povo

As discussões do Ano Internacional do Cooperativismo, em 2012, aumentaram a confiança do setor, que prevê uma década de expansão no Brasil. Para o presidente da Organização das Cooperativas Brasileiras (Sistema OCB), Márcio Lopes de Freitas, o cooperativismo merece o prêmio Nobel da Paz. Para isso, o setor deve se modernizar e se especializar. Na entrevista a seguir, concedida ao Caderno Caminhos do Campo do jornal Gazeta do Povo e que circula nesta terça-feira (22/01), o dirigente conta quais os planos do sistema para chegar lá.

 

Qual é o balanço de 2012, que foi o Ano Internacional das Cooperativas?

Foi um ano de coroação, reconhecimento das cooperativas como agentes capazes de promover um mundo melhor. Não foi um ano tão voltado a atingir metas de faturamento, mas sim de iniciar um processo de valorização do setor. Nossa meta é buscar o prêmio Nobel da Paz para o cooperativismo, não como uma pessoa, mas como uma ideologia. Para isso, vamos desenvolver nos próximos dez anos ações capazes de mostrar que o papel das cooperativas é importante no mundo a ponto de merecer esse prêmio. Vamos trabalhar estrategicamente para isso.

 

Embora o modelo do cooperativismo seja reconhecido como eficiente, o setor defende que ele precisa avançar. Qual sua avaliação?

Vivemos no Brasil uma agricultura de nova geração. E esse agricultor de nova geração quer uma cooperativa que agregue valor ao seu produto, economize na logística, dê acesso à tecnologia. Isso só se faz com gestão profissional. O modelo tem evoluído, tanto na governança quanto na gestão, mas esse processo não ocorre de uma hora para outra. Há cooperativas já avançadas nesse aspecto, mas outras enfrentam uma transição mais lenta. Estamos investindo pesado para ajudar nesse processo. Cerca de 70% dos recursos do Sescoop [Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo] são destinados à capacitação e profissionalização de novas lideranças.

 

A demanda internacional por grãos in natura tem aumentado, mas o cooperativismo sempre defendeu que é preciso agregar valor à produção. Como o senhor avalia esse dilema?

O mercado internacional sempre vai querer trazer a indústria para si, mas temos sempre que procurar agregar valor mais perto de quem produz. Esse é o papel da cooperativa. Já há casos em que 100% da produção é processada na cooperativa, principalmente em regiões afastadas dos portos. Na maioria dos casos, contudo, a atividade ainda é mesclada, pois nem sempre há parque industrial disponível para processar tudo. O ideal é sempre ir além, subir na escala de valores, aproximar quem produz de quem consome. Isso diminui risco, gera mais renda e barateia o preço para o consumidor.

 

Nas novas fronteiras agrícolas ainda é difícil a consolidação das cooperativas. O que explica essa situação?

Isso é uma questão cultural. A cooperação é baseada em confiança. Quem vai para a fronteira vai com um espírito pioneiro, desbravador, que o deixa mais ousado e naturalmente mais individualista. Temos observado que mesmo se o indivíduo provém de um berço cooperativista, a primeira ação dele na fronteira é mais individual. Isso muda quando a segunda geração de produtores assume. Um exemplo é cidade de Lucas do Rio Verde (MT), onde nos primeiros 20 anos as cooperativas não foram bem, mas hoje estão fortalecidas. É preciso entender que cooperativismo é coisa de gente, e tem um momento propício para se manifestar. (Caderno Caminhos do Campo/Gazeta do Povo)

Fonte: OCB

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.




*

WordPress spam blocked by CleanTalk.