Manter a identidade cooperativa significa que “não nos perdemos”

Jean-Louis Bancel, presidente da CoopFR e Crédit Coopératif, fala para a Coop News sobre a diferença que a identidade cooperativa pode fazer

Empresas sociais, B Corps e empresas com um propósito estão todos gritando sobre responsabilidade social corporativa – deixando as cooperativas cada vez mais conscientes do perigo de perder a batalha de ideias.

A questão surgiu em dezembro passado no Congresso Cooperativo Mundial, que explorou a ideia de aprofundar a identidade cooperativa.

“Esta é uma questão que é sempre relevante”, diz Jean-Louis Bancel, presidente da Coop France e Crédit Coopératif. Ex-presidente da Cooperatives Europe e membro do conselho da International Cooperative Alliance, Bancel presidiu o Comitê de Princípios da ACI que desenvolveu as Notas de Orientação sobre a Identidade Cooperativa, adotadas pela Assembleia Geral da ACI em Antalya em 2015.

Desde então, vários cooperadores manifestaram preocupação com a capacidade do movimento de promover a narrativa da identidade. “Havia o risco de as cooperativas serem vistas como falando muito e não fazendo muito”, diz Bancel. “Os bancos querem salvar o capitalismo, seu capitalismo, com a ideia de um capitalismo moral e responsável.”

O movimento não deve apenas pensar em mudar a redação de seus princípios, ele pensa, mas também tentar provar como eles são aplicados.

As idéias apresentadas no Congresso do mês passado serão aceitas por um comitê presidido pela membro do conselho da ACI Alexandra Wilson (Canadá), que reunirá opiniões do movimento cooperativo mais amplo. O comitê analisará como garantir que o público entenda a diferença entre cooperativas e outras empresas. Isso pode levar vários anos, adverte Bancel.

As cooperativas também devem pressionar organizações internacionais e legisladores nacionais para que quaisquer mudanças nos valores e princípios sejam refletidas nas leis e recomendações relativas ao setor. “Nós não somos legisladores, então precisamos pressionar outros que são”, acrescenta.

A Recomendação 193 da OIT sobre a Promoção de Cooperativas inclui a Declaração sobre a Identidade Cooperativa em sua forma atual, o que torna muitos no movimento relutantes em mudar a declaração.

“Acho que o movimento cooperativo é capaz de ser um iniciador”

Ele explica que, caso o movimento decida acrescentar um oitavo princípio, poderá pressionar a OIT para que adote uma nova recomendação. As cooperativas têm uma vantagem considerável ao serem observadoras na OIT.

Mas, embora Bancel acredite que questões como mudanças demográficas, tecnologia digital e a crise climática possam influenciar a futura identidade das cooperativas, ele não acredita que trabalhar nos princípios seja tão importante quanto comunicar o que são as cooperativas.

Há também o perigo de as cooperativas serem vistas como negócios que soam bem no papel, mas não funcionam na prática, ele teme, especialmente pelos jovens. O Global Co-op Innovation Summit é uma das iniciativas que visa desafiar isso. Após uma série de eventos online, o Summit sediará um evento híbrido online e presencial em setembro de 2022 em Paris.

“Nosso objetivo é provar que as cooperativas não são dinossauros”, diz Bancel, que está ajudando a planejar o evento. “Se passarmos muito tempo nos auto-examinando, outros podem passar na nossa frente.”

Na França, as cooperativas devem revisar periodicamente seu modo de funcionamento no que diz respeito ao respeito aos princípios, uma exigência introduzida na Lei de Economia Social e Solidária adotada em 2014.

“É como fazer uma revisão regular do seu carro, mesmo quando o carro funciona bem”, explica o Sr. Bancel. A exigência foi introduzida por sugestão da CoopFr, o ápice nacional das cooperativas, que trabalhou com o então ministro da economia social, Benoît Hamon, para desenvolver a nova lei.

Outra maneira de as cooperativas afirmarem sua distinção é usando a marca cooperativa e o domínio da web, diz Bancel – embora essas ferramentas sozinhas não transformem uma empresa em uma cooperativa.

A legislação também pode proteger a identidade cooperativa. O Sr. Bancel aponta para países onde o nome da cooperativa não é protegido para que as empresas que não são cooperativas possam usá-lo. “Na França isso não é possível, a legislação reserva a utilização do nome cooperativo para uma empresa cooperativa.”

Em dezembro, a Comissão Europeia (CE) apresentou um Plano de Ação para a Economia Social, que fornece pela primeira vez uma definição clara e inclusiva da economia social na Europa, mencionando cooperativas e sociedades de benefício mútuo como tipos de organizações de economia social.

Bancel considera que este é um primeiro passo em frente, mas tem reservas quanto ao reconhecimento da economia social sem estabelecer padrões mínimos. Ele diz que o plano deve levar em conta diferentes contextos e legislações nacionais para garantir que empresas, associações e outros atores da economia social atendam a certos requisitos claramente definidos.

Ele também está preocupado com o fato de que, caso o financiamento seja alocado à economia social por meio de auxílios estatais, contratos públicos ou impostos, falsas empresas de economia social possam ser criadas para simplesmente garantir esses benefícios.

No entanto, ele diz que as cooperativas devem trabalhar com outros atores da economia social.

“O mundo cooperativo não pode deixar de apoiar a ideia da economia social – mas não por diluição dos princípios cooperativos. Precisamos de aliados, não podemos ficar sozinhos dizendo que somos os únicos a manter a verdade.”

Ele compara a economia social ao cristianismo, acrescentando que assim como existem protestantes, ortodoxos e católicos, existem associações, fundações, empresas sociais e cooperativas e mútuas. “A ACI não é o Vaticano. Eu não sou o tribunal da Inquisição para dizer que isso é bom, isso é ruim.”

A UE também está trabalhando em uma taxonomia para atividades sustentáveis, um sistema de classificação que estabelece uma lista de atividades econômicas ambientalmente sustentáveis. Mas Bancel teme que as cooperativas possam ficar de fora se o foco for apenas o impacto ambiental, ignorando o impacto social das empresas. “É muito importante hoje entender que nessa batalha de ideias não devemos apenas responder a conceitos alheios. Quando os ODS foram adotados, dissemos: ‘Os ODS somos nós’. Sim talvez. Somos a favor dos ODS, todo mundo é, mas como?” Ele acha que mais precisa ser feito para mostrar como as cooperativas estão contribuindo para alcançar os ODS.

Outra tendência popular é a ideia de empresas com uma missão. Em 2019, a França adotou a Lei do Pacto, que criou o rótulo ‘empresa com missão’ ou ‘empresa com propósito’ para empresas privadas que estabelecem um ou mais objetivos sociais ou ambientais. Mas as cooperativas francesas estão céticas sobre até que ponto as empresas acionistas podem manter uma missão e contribuir para os objetivos sociais e ambientais enquanto se concentram na maximização do lucro.

À luz de todas essas ideias apresentadas pelo mundo corporativo, Bancel acredita que a identidade cooperativa pode ser um diferencial fundamental para o setor.

“Se não mantivermos nossa identidade cooperativa, nos perdemos”, diz ele.

Publicado originalmente em Coop News

Fonte: mundocoop.com.br

Compartilhe a notícia:
5k
fb-share-icon15000
20
Pin Share20

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.