Lições da Babilônia: Multiplique seus rendimentos, por Chael Mazza e Elvira Cruvinel

“(…) Pôr cada moeda para trabalhar de modo que possa reproduzir-se como algodão nos campos e trazer-lhes lucro, um rio de riqueza fluindo constantemente para dentro de suas bolsas”.
(CLASON, 1926:48)

Quando falamos em cuidar do próprio dinheiro, a maioria das pessoas logo pensa em controle de gastos, planilhas numéricas e cortar o cafezinho. Não que isso não seja importante. É fundamental organizar suas finanças e limitar seus gastos para que você consiga juntar dinheiro para alcançar os seus sonhos.

Entretanto, existe um outro lado da moeda que passa despercebido para grande parte das pessoas: cuidar dos seus investimentos.

Da mesma forma que devemos construir um orçamento para organizar nossos gastos, precisamos também gerenciar os nossos investimentos, para que eles gerem cada vez mais frutos.

O problema é que as pessoas pouco controlam seu dinheiro, e aqueles que o fazem acabam focando somente na parte dos gastos. Cuidar dos investimentos, entretanto, é tão importante quanto cuidar do seu orçamento. E o esforço que você coloca nisso é o que faz a diferença nos resultados que alcançará. Assim, você se sentirá cada vez mais livre e passará a fazer parte do grupo de pessoas que possuem dinheiro trabalhando por elas.

Os antigos babilônios sabiam que a diferença entre as pessoas de mentalidade rica e aquelas de mentalidade pobre é que enquanto estas trabalham pelo dinheiro, aquelas colocam o dinheiro para trabalhar para elas.

O dinheiro tem o incrível potencial de trabalhar para você e se multiplicar, graças ao poder dos juros compostos. No início parece que é pouco, mas depois de um tempo começa a crescer bem rápido.

É como plantar uma árvore do dinheiro. Você coloca uma semente em um solo fértil e depois de muito cuidado e paciência a semente começa a crescer. No início, devagar, mas depois começa a ramificar os galhos até que, finalmente, começa a dar flores e frutos. Cada fruto contém novas sementes, que poderão se multiplicar ainda mais.

Na antiga babilônia os comerciantes sabiam sobre o poder do ouro de gerar mais ouro, e por isso investiam com sabedoria.

Segue um passo a passo para guiar você nessa nova jornada de multiplicação dos rendimentos:

1) Organize suas Finanças

Se você ainda não está com suas finanças organizadas, dificilmente conseguirá organizar seus investimentos. O dever de casa precisa ser feito. Antes de investir, portanto, você deve ter seu orçamento bem controlado e suas dívidas quitadas ou no caminho de serem quitadas. Além disso, você deve separar uma quantia mínima de 10% do que ganha para investir todo mês. A gestão desses aportes mensais é o que fará você multiplicar seus rendimentos.

Além disso, é preciso ter um relacionamento com uma instituição financeira – uma cooperativa financeira, um banco ou uma corretora de investimento – por meio da qual você terá acesso aos investimentos, bem como a outros produtos financeiros. Lembre-se de verificar as taxas cobradas por cada instituição, bem como os benefícios mais gerais dessa escolha.

2) Descubra seu Perfil de Investidor

É fácil descobrir seu perfil de investidor, pois a maioria das instituições financeiras exige que você preencha logo no início do relacionamento, e de tempos em tempos, um formulário de perfil de investidor.

Cada investidor possui um perfil, geralmente classificado como conservador, moderado ou agressivo. O conservador é aquele investidor que não aceita prejuízos e não gosta de riscos. Normalmente, se inicia com esse perfil e, assim, o indicado é concentrar quase tudo em renda fixa.

Já o moderado é aquele que aceita assumir alguns riscos para tentar ganhar um pouco mais que a renda fixa. Nesse perfil, o indicado é diversificar em renda fixa e renda variável.

Finalmente, o agressivo é aquele que aceita assumir grandes riscos calculados para tentar grandes retornos. Esse opera uma ampla diversidade de instrumentos financeiros e concentra boa parte do que possui em renda variável.

O perfil de cada um pode mudar à medida que se estuda mais sobre finanças e investimentos e se ganha familiaridade com esse mundo. Lembre-se: Sempre invista em ativos adequados ao seu perfil!

3) Construa sua Reserva de Emergência

A primeira meta de todo investidor iniciante é construir sua reserva de emergência. Essa reserva nada mais é do que um montante de dinheiro que você deverá ter para caso aconteçam emergências e eventos inesperados – tais como gastos não previstos com saúde, consertos no carro, reparos na casa ou qualquer outro evento que não estava no seu radar e exigiu um custo significativo adicional.

A reserva de emergência deve conter o equivalente a seis vezes os seus custos fixos – ou doze vezes se você é autônomo ou possui salário variável. Em outras palavras, a reserva de emergência deve ser capaz de sustentar você e sua família por pelo menos seis meses e deve ser sempre montada em investimentos de resgate imediato, tais como Tesouro Selic, Fundos de Renda Fixa DI com resgate imediato, entre outros.

Aproveite o tempo que estiver construindo sua reserva de emergência para explorar e conhecer um pouco mais os investimentos disponíveis, primeiro em renda fixa e depois em renda variável. Isso será muito útil na próxima etapa.

4) Invista nos seus Sonhos

Os investimentos nunca estiveram tão acessíveis ao pequeno investidor quanto estão hoje, de forma que mesmo com pouco dinheiro é possível começar.

Assim, depois de montada sua reserva de emergência, é hora de começar a investir nos seus sonhos, sejam eles trocar de carro, comprar a casa própria, fazer uma viagem ou aposentar mais cedo para viver de rendimentos.

Nessa etapa, você deve estar fazendo aportes mensais consistentes. A dica é pegar esse valor que você investe todo mês e dividir entre seus sonhos, digamos 50% para aposentadoria e 50% para trocar de carro.

Cada sonho deve possuir um prazo para ser alcançado, de forma que você deve procurar investimentos adequados para cada prazo. Para o curto prazo (até 3 meses) procure sempre investimentos de renda fixa de resgate imediato. Para o médio prazo (3 meses a 2 anos), opte por investimentos de renda fixa que podem esperar um pouco mais, tais como LCI, LCA e CDBs. Para o longo prazo (acima de 2 anos) você pode escolher investimentos que paguem acima da inflação ou ações.

A partir disso, é só seguir o plano – investir todo mês nos seus sonhos – e deixar o dinheiro render.

Lembre-se disso como uma semente de riqueza que você está plantando e regando todo mês com novos aportes, até tornar-se sua árvore de dinheiro.

5) Siga o Plano

Aqui as palavras-chave são determinação e paciência. Determinação para manter seus aportes todo mês e paciência em saber que ninguém fica rico com investimentos de uma hora para outra. Você deve dar tempo para o seu dinheiro crescer; tal qual numa plantação, deve-se esperar o tempo de colheita.

Aqui é importante manter também os estudos constantes sobre finanças e investimentos, para que novas portas se abram para você e seus rendimentos comecem a crescer a uma taxa mais rápida.

Os antigos babilônios sabiam que tudo na vida que vale a pena exige esforço e tempo. Para mais dicas sobre finanças, siga a página @curtafinancas, no Instagram!

Referência: CLADSON, George S. “O homem mais rico da Babilônia”, Rio de Janeiro: HarperCollins, 2017.
Escrito em 1926.

1 comentário

  1. Obrigado por essas dicas, são muito boas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

*