Pela segunda vez consecutiva, Copom corta Selic, que cai a 5,5%

Taxa básica de juros do país renova seu valor mínimo histórico, em linha com a expectativa do mercado financeiro.

O Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central reduziu em 0,5 ponto percentual a taxa básica de juros da economia brasileira. A Selic, caiu de 6% para 5,5% ao ano. O anúncio feito nesta quarta-feira, 18, representa a segunda queda consecutiva nos juros do país, após 16 meses em estabilidade na casa dos 6,5% ao ano, que permaneceu até julho.

Esse é o menor percentual da história da taxa de juros brasileira. A Selic é usada como referência para todas as outras taxas de juros do mercado e serve como instrumento para controlar a inflação e estimular o consumo. Com a Selic alta, os juros tendem a ficar mais caros e desestimular o consumo. Já com a taxa em viés de baixa, o crédito pode ficar mais barato, estimulando compras e aquecendo a economia.

A queda na taxa já era esperada pelo mercado financeiro, que aposta em uma redução ainda maior até o fim do ano. Segundo o mais recente Boletim Focus, divulgado pelo Banco Central semanalmente, a aposta de analistas financeiros é que a taxa feche o ano em 5% ao ano. Algumas instituições, no entanto, como o Bradesco, já preveem que 2019 termine com os juros em 4,75% ao ano.

Como a taxa de juros é definida

Entre os pontos analisados pelo Banco Central para sua decisão, está a inflação, calculada oficialmente pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA). Atualmente, a previsão do Boletim Focus é que feche a taxa fecho 2019 em 3,45% ao ano, resultado abaixo do centro da meta da inflação do governo, definida em 4,25% pelo Conselho Monetário Nacional. No entanto, está dentro da margem de erro, que é de 1,5 ponto percentual para baixo ou para cima (2,75% a 5,75%).

Outro fator analisada pelo Copom. O Produto Interno Bruto (PIB) do segundo trimestre de 2019 apresentou expansão de 0,4% em relação aos três meses imediatamente anteriores. Para o ano, o governo espera alta de 0,85% e o Focus de 0,87%, o que representaria desaceleração frente aos últimos dois anos, quando o país cresceu, em ambos, 1,1%. Pautas como a reforma da Previdência e a tributária, que devem, na visão do BC, melhorar o ambiente de negócios do país, também entram nesta conta.

Além disso, o Copom observa o cenário externo, que no momento, é instável. Estados Unidos e China dão sinalizações de apaziguamento a disputa comercial, mas nada definitivo. O confronto também influencia no processo de desaceleração da economia global, que já reflete nos desempenhos da Alemanha e da China, por exemplo. Como se não bastasse, a Argentina, um dos principais parceiros comerciais brasileiros, passa por momento conturbado e terá eleições no final do ano. E no Reino Unido, o Brexit continua a se desenrolar. O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, pretende resolver a situação até o dia 31 de outubro.

Fonte: Veja e G1

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.




*