Inadimplência em cooperativas de crédito é de 1,3%, mostra Banco Central

O Banco Central divulga hoje pesquisa mostrando que 1,3% do crédito concedido por cooperativas a pessoas físicas são operações com algum pagamento em atraso há mais de 30 dias. Embora não seja perfeitamente comparável com o do conjunto do sistema financeiro nacional (SFN), o dado mostra que a inadimplência desse tipo de tomador tende a ser menor nas cooperativas.

Com data-base de setembro de 2012, em sua primeira edição, o levantamento apontou que, entre mais de 5,5 milhões de cooperados pessoas físicas, 1,49 milhão tinha operações de crédito de pelo menos R$ 1 mil com essas instituições. O tíquete médio era de R$ 20,3 mil, quase o mesmo do SFN (R$ 20,6 mil).

Os homens eram mais de dois terços e respondiam por quase 80% do saldo com esse público, que era de R$ 30,3 bilhões. Entre cooperados homens, o tíquete médio era de R$ 23 mil no país, chegando a R$ 51 mil no Mato Grosso. Entre as mulheres, a média ficava em R$ 14 mil no Brasil, com máxima de R$ 27 mil no Amazonas.

Os dados de inadimplência não são perfeitamente comparáveis porque não há indicador para atrasos a partir de 31 dias para o conjunto do SFN. Mas considerando só aquelas com atrasos há mais de 90 dias, universo mais restrito, a inadimplência das pessoas físicas junto ao sistema todo era bem mais alta, 5,9%.

Nas operações de cooperativas com empresas, cujo saldo era de R$ 18 bilhões, aquelas com parcelas em atraso há mais de 30 dias chegavam a 2%. Ainda assim, a inadimplência das empresas também mostrou-se mais alta no conjunto do sistema (2,2%).

As cooperativas respondem por cerca de 2% do crédito no Brasil. O BC acredita que a menor inadimplência está relacionada ao fato de que o tomador de crédito é ao mesmo tempo sócio da cooperativa.

Mais da metade (50,5%) dos 1,49 milhão de cooperados com crédito tinha de 31 e 50 anos, mas 50,9% do saldo estava com a faixa de 41 a 60 anos. Aqueles com até 30 anos eram 20,1% e respondiam por 10,3% da carteira. Nessa faixa etária, a inadimplência era de 1,9%.

A pesquisa mostrou inadimplência menor entre nordestinos (1,1%) e mais alta no Norte (1,7%). O Sul destacou-se pela maior proporção de cooperados tomadores de crédito em relação à população total (2,6%) e pelo fato de que 36% não tinham operações em outras instituições, ante médias nacionais de 0,8% e 29%.

Fonte: Valor Econômico

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.




*

WordPress spam blocked by CleanTalk.