Portal do Cooperativismo Financeiro Juros para pessoa física caem para nível recorde - Portal do Cooperativismo Financeiro

Juros para pessoa física caem para nível recorde

A taxa média para pessoa física caiu 0,07 ponto percentual em maio, somando 6,18% por mês, ou 105,36% ao ano, diz pesquisa da Anefac.

As taxas de juros em operações de crédito caíram em maio, diante dos cortes promovidos na Selic e da maior competição entre os bancos. Segundo levantamento da Associação Nacional de Executivos de Finanças, Administração e Contabilidade (Anefac), a taxa média para pessoa física caiu 0,07 ponto percentual em maio, somando 6,18% por mês, ou 105,36% ao ano. Esta taxa é a menor desde o início da série histórica, iniciada em 1995.

  • No cheque especial, os juros passaram caíram 0,04 ponto, para 8,24% ao mês (158,61% ao ano).
  • No crédito direto ao consumidor (CDC) para compra de automóveis, a taxa caiu 0,09 ponto, para 1,85% ao mês (24,6% ao ano).
  • No empréstimo pessoal com instituições bancárias, a queda foi de 0,1 ponto, para 3,59% ao mês (52,69% ao ano).
  • Dos juros pesquisados, apenas o rotativo do cartão de crédito não teve alteração, ficando em 10,69% ao mês (238,3% ao ano). Essa modalidade teve a taxa mais alta de toda a pesquisa.
  • As linhas para pessoa jurídica também foram reduzidas, considerando as direcionadas para capital de giro, desconto de duplicata e conta garantida. A taxa média caiu 0,09 ponto percentual, para 3,63% ao mês (53,4% ao ano).

 

Essa é a menor taxa apurada pela entidade desde 1999. Perspectiva de baixa Segundo a Anefac, parte da queda nos juros é explicada pelos cortes na taxa Selic realizados pelo Banco Central (BC). Desde janeiro, a taxa básica de juros caiu 2,5 pontos percentuais, para 8,5% ao ano. Além disso, o recuo reflete a redução nas taxas promovidas nos últimos meses pelos bancos públicos, o que foi acompanhado pelos bancos privados.

A expectativa da entidade é que os juros cobrados pelas instituições financeiras sofram novas reduções nos próximos meses, devido à perspectiva de novos cortes na Selic e de mais reduções nos juros bancários.

Fonte: Brasil Econômico – São Paulo/SP

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.




*

WordPress spam blocked by CleanTalk.